HISTÓRIA
 
 
  
   
 
MISSÃO, VISÃO
E VALORES
 
 
  
   
 
DIRETORIA
 
 
  
   
 
CERTIFICAÇÕES
E ACREDITAÇÕES
 
 
  
   
 
ESTRUTURA HSVP
 
 
  
   
 
CORPO CLÍNICO
 
 
  
   
 
PASTORAL DA SAÚDE
 
 
  
   
 
FIQUE POR DENTRO
 
 
  
   
 
HSVP NA MÍDIA
 
 
  
   
 
AÇÃO SOCIAL
 
 
  
   
 
CONVÊNIOS
 
 
  
   
 
PORTAL DO PACIENTE
 
 
  


Notícias


Saúde do homem: população masculina se preocupa menos com a saúde do que as mulheres

De um modo geral, os homens se cuidam menos do que as mulheres quando o assunto é saúde. Fatores como medo de ir ao médico e descobrir doenças, má alimentação, maior incidência de uso de álcool e outras drogas, maior exposição a acidentes de trânsito e de trabalho e menor adesão à prática de atividades físicas colaboram para um índice maior de mortalidade e morbidade entre a população masculina no Brasil.

Mas você sabe quais são as doenças que acometem mais homens do que mulheres?

Infarto Agudo do Miocárdio: O problema é mais predominante em homens, principalmente por conta de maus hábitos de vida e do pouco cuidado com os exames preventivos. Fatores como sedentarismo, tabagismo, obesidade, hipertensão arterial e consumo excessivo de álcool estão entre os principais fatores para o aparecimento da doença.


Cálculo renal: Não se sabe exatamente porque, mas o problema é três vezes mais comum nos homens, principalmente entre os 20 e 40 anos.


Apneia do sono: A maioria dos casos está relacionada diretamente com o excesso de peso e a obesidade é significativamente maior entre a população masculina.


 Cirrose hepática alcoólica: Grande parte dos casos da doença acontece em pessoas que abusam do consumo de álcool e são os homens que mais consomem bebidas alcoólicas no país.


 Câncer de pulmão: Tem relação direta com o tabagismo e, no Brasil, há bem mais fumantes entre os homens do que entre as mulheres. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que mais de 31 mil novos casos sejam diagnosticados anualmente, cerca de 50% a mais em homens.


 Pneumonia: Eles têm risco maior de morrer pela doença, que está relacionada a comportamentos de risco e de hábitos de vida. A menor adesão a tratamentos médicos, em geral, colabora para esse quadro.




« voltar