HISTÓRIA
 
 
  
   
 
MISSÃO, VISÃO
E VALORES
 
 
  
   
 
DIRETORIA
 
 
  
   
 
CERTIFICAÇÕES
E ACREDITAÇÕES
 
 
  
   
 
ESTRUTURA HSVP
 
 
  
   
 
CORPO CLÍNICO
 
 
  
   
 
PASTORAL DA SAÚDE
 
 
  
   
 
FIQUE POR DENTRO
 
 
  
   
 
HSVP NA MÍDIA
 
 
  
   
 
AÇÃO SOCIAL
 
 
  
   
 
CONVÊNIOS
 
 
  
   
 
PORTAL DO PACIENTE
 
 
  


Notícias

Sentiu dor de estômago? Hora de cuidar da saúde digestiva

Dor e desconforto abdominal, azia e queimação, gases, náusea. Os sintomas de doenças digestivas são variados e funcionam como um sinal de alerta para problemas que vão desde uma gastrite leve até uma condição mais séria, que necessite de intervenção cirúrgica. “A dor no estômago é um sintoma. Pode acontecer por uma série de razões como gastroenterite ou parasitose intestinal, gastrite, úlcera, tumores gástricos, assim como também outros problemas que não envolvam diretamente o tubo digestivo superior”, explica Carlos Eduardo Brandão, chefe do serviço de Gastroenterologia do HSVP. Afinal, dor de estômago é um sinal de qual doença?

Gastrite ou úlcera, as mais comuns

A gastrite é um processo inflamatório. “Na maioria das vezes, inflama, irrita e provoca erosão da camada mais superficial do estômago. Já a úlcera aparece quando essa irritação é profunda o suficiente para afetar pelo menos três camadas do estômago: a mucosa, que é a mais superficial, a submucosa e a musculatura”, esclarece o médico. No entanto, esse processo mais superficial da gastrite pode se agravar e evoluir para a úlcera, que pode, inclusive, levar à perfuração da parede estomacal. “Logo abaixo da mucosa estão os vasos que irrigam a submucosa. Quando essas camadas são afetadas, esses vasos podem ser submetidos a um processo de erosão, se romperem e causarem hemorragia”, alerta Brandão.


As causas

Na maioria das vezes, as gastrites e as úlceras são de origem bacteriana. O tipo mais comum de gastrite é o provocado pelo Helicobacter pylori, um microrganismo que coloniza o estômago e pode, eventualmente, propiciar o aparecimento da inflamação da mucosa e até evoluir para uma úlcera. “Outras causas de gastrite e de úlceras são de origem medicamentosa, com o uso crônico de anti-inflamatórios, de aspirina ou de determinados antibióticos que irritam as camadas da mucosa e da submucosa do estômago”, explica o especialista.

O estresse é outro fator de risco importante para o surgimento de gastrites e úlceras. “Pessoas que passam por um longo período de internação e em terapia intensiva, queimados e pacientes com traumatismo cranioencefálico estão propensos a ter gastrites e até úlceras. Outras causas estão relacionadas a doenças infectocontagiosas, como sífilis, insuficiência renal e as provocadas por tumores ou linfomas”, diz Brandão.

9 sinais de que sua saúde digestiva não vai bem


Conheça os sintomas mais frequentes de doenças gástricas que podem estar associados ou não:

  • mal-estar;
  • desconforto abdominal;
  • dor abdominal;
  • pirose (queimação ou azia);
  • eructação (arroto);
  • regurgitação (sensação de que o ácido do estômago volta até a boca);
  • náuseas;
  • ânsia de vômito;
  • hemorragia digestiva alta (vômito com sangue ou evacuação de fezes escuras).


Como tratar?

“Atualmente, o principal método de investigação diagnóstica é a endoscopia digestiva alta, que permite identificar se é um processo superficial ou mais profundo. De uma maneira geral, o diagnóstico da gastrite e da úlcera passa obrigatoriamente pelo exame do paciente, pela endoscopia digestiva alta e, em alguns casos, pela biópsia de um fragmento de tecido do estômago ou do próprio duodeno”, esclarece o médico.

Segundo o especialista, a mudança dos hábitos alimentares é uma medida importante, associada a medicamentos que atuam para diminuir a acidez gástrica. “Existem remédios que melhoram a proteção da mucosa gástrica e outros que combatem o desconforto abdominal, a dificuldade de digestão, a sensação de que comeu exageradamente, além de antibióticos”, diz ele. “Hoje, com os medicamentos disponíveis, cada vez menos pacientes são encaminhados para a cirurgia por conta de uma doença ulcerosa complicada, mas ainda há casos em que o procedimento cirúrgico é necessário”, ressalta Brandão.

De acordo com o médico, a palavra de ordem é moderação. “É importante ter uma dieta saudável, balanceada. Ter cuidado com aqueles alimentos que sabidamente são irritantes do tubo digestivo e também com os medicamentos que podem provocar erosões da mucosa do estômago, como analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos”, adverte. “Produtos enlatados e industrializados, que ficam um longo tempo nas prateleiras de supermercado, como, por exemplo, os refrigerantes, têm, obrigatoriamente, uma substância conservante que é ácida. Então, sobretudo no momento em que o paciente está com alguma queixa, recomendo restrição a esses alimentos e bebidas com conservantes”, conclui.

«voltar