HISTÓRIA
 
 
  
   
 
MISSÃO, VISÃO
E VALORES
 
 
  
   
 
DIRETORIA
 
 
  
   
 
CERTIFICAÇÕES
E ACREDITAÇÕES
 
 
  
   
 
ESTRUTURA HSVP
 
 
  
   
 
CORPO CLÍNICO
 
 
  
   
 
PASTORAL DA SAÚDE
 
 
  
   
 
FIQUE POR DENTRO
 
 
  
   
 
HSVP NA MÍDIA
 
 
  
   
 
AÇÃO SOCIAL
 
 
  
   
 
CONVÊNIOS
 
 
  
   
 
PORTAL DO PACIENTE
 
 
  


Notícias


Câncer de pele: sol de inverno também pode causar danos
 

A exposição prolongada e repetida aos raios solares é o principal fator de risco para o câncer de pele. Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Itajubá (Unifei – MG) mostrou que a incidência de raios UVA e UVB em dias quentes de inverno no Rio de Janeiro é tão intensa quanto à do verão europeu.

O câncer de pele não melanoma é o mais frequente no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país, de acordo com estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (Inca). O câncer de pele apresenta baixa letalidade, mas, caso não seja tratada adequadamente, pode provocar lesões graves e até mutilações.

“Pessoas de pele e olhos claros são mais sensíveis à ação dos raios solares e têm mais chance de desenvolver câncer de pele. Há três décadas, a incidência da doença era mais comum em pessoas mais velhas, em torno de 60 anos. Hoje, com a ruptura na camada de ozônio, ficamos mais expostos e vemos casos da doença em pacientes a partir dos 30 anos de idade”, explica o coordenador da Dermatologia, Roberto Ebecken.

Para o médico, é preciso criar uma cultura de proteção junto à população. “Não importa se está chovendo, fazendo frio ou se estamos em pleno inverno. É preciso usar o filtro solar diariamente. Isso precisa ser um hábito. Usar o filtro solar é tão importante quanto escovar os dentes”, frisa. Muitos pacientes temem que o uso do protetor cause uma deficiência de vitamina D, já que estaria bloqueando a luz solar. Mas ele explica que, em um país tropical como o nosso, poucos minutos de exposição em ambiente externo são suficientes para a produção adequada de vitamina D.

Filtro solar: modo de usar

Não basta espalhar o protetor solar na parte do corpo que se quer proteger. É preciso respeitar o fator de proteção indicado pelo médico e usar a quantidade adequada para a proteção dos raios ultravioleta.

É preciso aplicar o filtro pelo menos 15 minutos antes de se expor ao sol. No dia a dia, não é necessário repassar o protetor, mas em ambientes de praia e piscina a indicação é passar novamente a cada duas horas.

Para garantir a proteção adequada contra os raios ultravioleta adote uma regrinha básica para a cobertura de todo o corpo usando como base uma colher de chá: use essa medida para rosto, cabeça e pescoço. Para cada braço e antebraço, uma colher de chá. Tórax, frente e costas, duas colheres de chá e para cada coxa e perna duas colherinhas também. Essa é considerada a quantidade ideal, que corresponde a pelo menos 1mm de espessura do produto sobre a pele.

É recomendável o uso de roupas com proteção ultravioleta, assim como chapéus e barracas. Mas essas são medidas coadjuvantes da proteção.



« voltar